Açúcar na infância: limites mais rígidos

24 de julho de 2017

O abuso de açúcar desde cedo expõe a criança a perigos que podem se estender pela vida toda. Descubra como garantir a doçura na medida

Postado em Na Mídia por Aby Tosatti | Tags:
10 de julho de 2017

odiario.com

... na qualidade e no processamento dos cereais", explica o nutrólogo e pediatra Mauro Fisberg, professor da Escola Paulista de Medicina (Unifesp).

Confira a matéria na integra, clique aqui.

Postado em Na Mídia por Aby Tosatti | Tags:
5 de julho de 2017

Método Baby-led Weaning, em que o bebê pega os alimentos em pedaços e leva até a boca sozinho, tem ganhado popularidade

Por Crescer online - 04/07/2017 11h45 - atualizada em 04/07/2017 11h45

A Sociedade Brasileira de Pediatria lançou recentemente um guia sobre alimentação complementar, que traz alguns estudos e orientações particulares sobre o método BLW (Baby-led Weaning), no qual o bebê deve levar sozinho os alimentos boca. Entre as orientações básicas do BLW estão: oferecer os alimentos preferencialmente in natura em vez de preparar papinhas, oferecer alimentos variados, sempre colocar a criança sentada e interagir com ela na hora das refeições.

Inicialmente, o 

Postado em Na Mídia por Aby Tosatti | Tags:
19 de abril de 2017

  Thais Carvalho Diniz Do UOL

A alimentação dos filhos é um desafio para muitos pais e não raro motivo de discussão das refeições em família. O comportamento das crianças mesa pode ser dos mais variados, mas um deles faz parte do universo dos chamados “comedores seletivos”. A principal dúvida nesses casos é: como lidar quando os filhos só aceitam comer um tipo de comida?

Lara* tem quatro anos e, desde os dois, o seu cardápio está reduzido a arroz, macarrão sem molho, pipoca, “carninha de churrasco” e suco de maracujá. A menina que, enquanto bebê, comia todas as papinhas preparadas pela mãe, com as mais diversas combinações de carboidratos, proteínas, verduras e legumes, hoje recusa o que estiver fora da sua lista --e mesmo os alimentos citados acima, se tiverem qualquer alteração, como um molho de tomate, por exemplo.

O comportamento alimentar como o de Lara não é um transtorno e, sim, uma dificuldade que, segundo o nutrólogo e pediatra Mauro Fisberg, é um fenômeno fisiológico normal. “Todos somos seletivos. Posso ser apenas por não comer quiabo, por exemplo”.

Fato é que preferências ou aversões alimentares são classificadas como selet

Postado em Na Mídia por Aby Tosatti | Tags: