Dez coisas que os pais podem fazer para evitar o suicídio.

Dez coisas que os pais podem fazer para evitar o suicídio.
9 de maio de 2018

dr_setubal_Dez_coisas_que_os_pais_podem_fazer_para_evitar_o_suicídio_10_04_2018

À medida que as crianças se tornam adolescentes, torna-se mais desafiador para os pais saberem o que estão pensando e sentindo. Quando os altos e baixos normais da adolescência se tornam algo para se preocupar?

O aumento de suicídio entre os jovens brasileiros foi de 30% nos últimos 25 anos.  Em 2009, 196 jovens, entre 10 e 14 anos, e 566 jovens, entre 15 e 19 anos, cometeram suicídio em nosso país.

Dez coisas que os pais podem fazer para evitar o suicídio:

1- Não deixe a depressão ou ansiedade do seu filho adolescente virar uma bola de neve:

Talvez seu filho esteja apenas tendo um dia ruim, mas talvez seja algo mais se esse estado de ânimo estiver acontecendo há algumas semanas. Saiba que 9 em cada 10 adolescentes que tiram suas próprias vidas foram previamente diagnosticados com uma doença ou distúrbio psiquiátrico ou mental e mais da metade deles com um transtorno do humor, como depressão ou ansiedade.

2- Ouça – mesmo quando seu filho adolescente não estiver falando.

Nem todos, mas a maioria das crianças que estão pensando em suicídio (isso é chamado de ideação suicida), mostra seu estado mental conturbado através de comportamentos e ações problemáticos. No entanto, geralmente há três ou mais problemas ou fatores acontecendo de uma só vez na vida da criança no momento em que ele está pensando em tirar a própria vida.

Uma grande perda (isto é, ruptura ou morte)

Uso de substâncias como álcool ou drogas

Pressão social

Acesso a armas

Humilhação pública (bullying ou cyberbullying)

Dor Crônica Grave ou Condição médica crônica

Impulsividade / agressividade

História familiar de suicídio

3- Nunca veja as ameaças de suicídio como um típico melodrama adolescente.

Qualquer declaração escrita ou verbal de “eu quero morrer” ou “eu não me importo mais” deve ser tratada com seriedade. Frequentemente, as crianças que tentam o suicídio têm dito repetidamente aos pais que pretendem se matar. A maioria das pesquisas apoia que as pessoas que ameaçam abertamente o suicídio não pretendem realmente tirar suas próprias vidas; e que a ameaça é um pedido desesperado de ajuda.

Qualquer uma dessas outras bandeiras vermelhas garante sua atenção imediata e ação, buscando ajuda profissional imediatamente.

4- Procure ajuda profissional imediatamente.

Se o comportamento de seu filho adolescente o preocupa, não espere para entrar em contato com seu pediatra. Entre em contato com um provedor local de saúde mental que trabalhe com crianças para que seu filho ou jovem seja avaliado o mais rápido possível, para que seu filho ou filha possa iniciar a terapia ou aconselhamento se não correr o risco de se machucar. No entanto, ligue para a equipe local de apoio a crises de saúde mental ou dirija-se à sala de emergência local se achar que seu filho é ativamente suicida e está em risco de se machucar.

5- Compartilhe seus sentimentos.

Deixe seu filho adolescente saber que ele ou ela não está sozinho e que todos se sentem tristes ou deprimidos ou ansiosos de vez em quando, incluindo mães e pais. Sem minimizar sua angústia, reconfirme que esses tempos ruins não durarão para sempre. As coisas realmente melhorarão e você ajudará seu filho a fazer aconselhamento e outros tratamentos para ajudar a melhorar as coisas para ele ou ela.

6- Incentive seu filho adolescente a não se isolar da família e dos amigos.

Geralmente é melhor estar perto de outras pessoas do que ficar sozinho. Mas não o empurre se ele disser não.

7- Recomendar exercício.

A atividade física tão simples quanto caminhar ou tão vigorosa quanto bombear o ferro pode frear a depressão leve a moderada. Treinar faz com que uma glândula do cérebro libere endorfinas, uma substância que se acredita que melhora o humor e ameniza a dor. As endorfinas também diminuem a quantidade de cortisol na circulação. O cortisol, um hormônio, tem sido associado à depressão. Exercício distrai as pessoas de seus problemas e faz com que elas se sintam melhor sobre si mesmas.

8- Incentive seu filho adolescente a não exigir muito (em demasia) de si mesmo.

Até que a terapia comece a surtir efeito, este provavelmente não é o momento de assumir responsabilidades que poderiam ser esmagadoras. Sugira que ele ou ela divida tarefas grandes em tarefas menores e mais gerenciáveis ​​sempre que possível e participe de atividades favoritas de baixo estresse. O objetivo é reconstruir a confiança e a autoestima.

9- Lembre o seu adolescente que está em tratamento para não esperar resultados imediatos.

Terapia de conversa e / ou medicação geralmente levam tempo para melhorar o humor. Seu filho não deve ficar desanimado se não se sentir melhor imediatamente.

10- Se você mantiver armas em casa, armazene-as em segurança ou mova todas as armas de fogo em outro lugar até que a crise tenha passado.

O suicídio por arma de fogo entre os jovens norte-americanos alcançou 12 anos de alta em 2013, com a maioria das mortes envolvendo uma arma pertencente a um membro da família, de acordo com um relatório do Centro Brady de Prevenção à Violência Armada. Qualquer uma dessas mortes pode ter sido evitada se uma arma não estivesse disponível.

Se você suspeitar que seu filho pode ser suicida, é extremamente importante manter todas as armas de fogo, álcool e medicamentos a sete chaves.

Fonte: Blog sobre Saúde Infantil

Referência: committee on Psychosocial Aspects of Child and Family Health (Copyright © 2015 American Academy of Pediatrics)

Postado em Saúde e Nutrição por Aby Tosatti | Tags: