Dificuldade da criança em variar o prato não é frescura; saiba como lidar…

Dificuldade da criança em variar o prato não é frescura; saiba como lidar…
19 de abril de 2017

 

Thais Carvalho Diniz
Do UOL

A alimentação dos filhos é um desafio para muitos pais e não raro motivo de discussão das refeições em família. O comportamento das crianças à mesa pode ser dos mais variados, mas um deles faz parte do universo dos chamados “comedores seletivos”. A principal dúvida nesses casos é: como lidar quando os filhos só aceitam comer um tipo de comida?

Lara* tem quatro anos e, desde os dois, o seu cardápio está reduzido a arroz, macarrão sem molho, pipoca, “carninha de churrasco” e suco de maracujá. A menina que, enquanto bebê, comia todas as papinhas preparadas pela mãe, com as mais diversas combinações de carboidratos, proteínas, verduras e legumes, hoje recusa o que estiver fora da sua lista --e mesmo os alimentos citados acima, se tiverem qualquer alteração, como um molho de tomate, por exemplo.

O comportamento alimentar como o de Lara não é um transtorno e, sim, uma dificuldade que, segundo o nutrólogo e pediatra Mauro Fisberg, é um fenômeno fisiológico normal. “Todos somos seletivos. Posso ser apenas por não comer quiabo, por exemplo”.

Fato é que preferências ou aversões alimentares são classificadas como seletividade e pode ser difícil diferenciar de "frescura" ou "mania". Por isso, pais e cuidadores devem ficar atentos quando essas particularidades afetam grandes grupos de alimentos, como frutas, legumes e verduras – em geral, os mais rejeitados pelas crianças.

“O comportamento seletivo passa a ser preocupante quando leva a problemas orgânicos ou comportamentais. Entretanto, esses também podem levar à rejeição”, afirma Fisberg, professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e coordenador do Centro de Dificuldades Alimentares do Instituto Pensi do Hospital Infantil Sabará (SP). "E não adianta dar estimulante de apetite para resolver o problema", explica.

Nem sempre o diagnóstico é simples

O grande problema de restringir a alimentação de forma drástica é que as crianças com certeza vão sofrer com carências de vitaminas e minerais. Fisberg afirma que algumas pessoas continuam seletivas até a vida adulta, mas a condição na infância pode afetar desenvolvimento, crescimento, cognição, memória, inteligência, entre outros, e, por isso, demanda maior atenção e cuidado. “Existem questionários para o diagnóstico, mas a avaliação deve ser criteriosa, individual e feita por uma equipe multidisciplinar”.

De acordo com a psicoterapeuta infantil Paloma Vilhena, antes de achar que a criança é uma comedora seletiva, é preciso investigar a fundo todo o contexto no qual ela está inserida. “A seletividade alimentar também pode afetar a vida social, tornando as situações sociais que envolvem comida uma grande fonte de ansiedade e estresse”.

Lara está nesse ponto. De acordo com o relato da mãe ao UOL, quando a menina está na casa de amigos, costuma pedir para ir embora quando chega a hora de alguma refeição. “Ela fica nervosa com a insistência dos outros e porque entende que as pessoas acham um absurdo ela não comer”.

Fisberg alerta para o fato de que exames comumente pedidos no consultório --hemograma, fezes e urina-- dificilmente apresentarão anormalidade. Segundo ele, é preciso avaliação mais aprofundada do que o tempo da consulta permite.

Por que antes ela "comia de tudo"?

É comum pais e cuidadores acharem que a criança comem pouco, mas isso nada tem a ver com seletividade. Nádia conta que Lara começou a recusar todas as ofertas logo que completou dois anos, o que a fez estranhar, já que a menina “comia de tudo”. Para casos como esse, Fisberg explica que na transição da papinha para uma alimentação adulta, é comum a criança rejeitar o que antes gostava.

“É diferente para ela, que pode não gostar da forma como aquilo foi preparado, a nova textura”. Ele afirma que os pais perdem a chance quando desistem na primeira ou segunda tentativa. “Se ceder uma vez, dificilmente vai conseguir a aceitação depois”.

A principal dica, segundo o pediatra, é preparar de diferentes formas, com variados temperos e lembrar que se nada der certo, pode ser uma característica daquele indivíduo. “Crianças têm direito a preferências”.

Como lidar com a questão

Conseguir o equilíbrio entre a insistência e o respeito as vontades dos filhos é o sonho de pais e cuidadores que têm um “comedor seletivo” em casa.  “Extremamente seletiva” quando criança, a "digital influencer" Camila Verdeja, criadora do “Pequeno Gourmet”, um site sobre alimentação infantil, conta que muitos buscam uma “solução milagrosa que, de preferência não dê muito trabalho e resolva o problema definitivamente”.

“Recebo muitas mensagens de pais desesperados porque os filhos não comem. Eles ficam angustiados com as constantes negativas. Mas nós, pais, somos responsáveis pela construção do paladar e dos hábitos dos nossos filhos. Por isso, precisamos procurar ajuda”, diz ela, mãe de Santiago, 4.

Paloma diz que é normal que os pais fiquem preocupados e ansiosos, mas isso acaba agravando o problema. Criar um ambiente tranquilo para as refeições, sem gritos e ameaças, e encorajar os progressos, mesmo que pequenos, faz parte da recuperação.

“Paciência e calma são importantes na mudança de hábitos. É importante, além de oferecer variedade de alimentos e de preparo dos mesmos, incluir as crianças no processo de compra e preparo das refeições. E, claro, dar exemplo ingerindo alimentos saudáveis”.

*Os nomes foram trocados a pedido da entrevistada

Fonte: UOL

 

 

Postado em Na Mídia por Aby Tosatti | Tags: