Quantidade e qualidade de carboidratos na dieta pré-gestacional e risco de desenvolver diabetes gestacional

Quantidade e qualidade de carboidratos na dieta pré-gestacional e risco de desenvolver diabetes gestacional
19 de junho de 2018
Gestante Gravidez Gravida Barriga Mãe Barr

Crédito do Foto: Pixabay

Por Abykeyla Mellisse Tosatti

A quantidade e a qualidade de carboidratos afetam a Glicemia pós-prandial, o metabolismo da glicose e o risco de diabetes tipo 2. Um estudo publicado The British Journal of Nutrition, analisou a associação da quantidade e qualidade de carboidratos na dieta pré-gestacional com o  risco de desenvolver diabetes mellitus gestacional (DMG).

Os autores usaram  dados do Estudo Longitudinal Australiano sobre Saúde da Mulher, que incluía 3607 mulheres australianas com idades entre 25 e 30 anos, sem diabetes, e que foram acompanhadas entre 2003 e 2015. Foram analisados a quantidade de carboidratos (ingestão total de carboidratos e uma pontuação da dieta baixa em carboidratos) e subtipos de carboidratos indicando qualidade (fibra, consumo total de açúcar, índice glicêmico, carga glicêmica e ingestão de alimentos ricos em carboidratos).

Durante 12 anos de acompanhamento, 285 casos de Diabetes Gestacional foram documentados em 6263 gestações (4,6%). A pontuação da dieta baixa em carboidratos , refletindo ingestão relativamente alta de gordura e proteína e baixa ingestão de carboidratos, foi positivamente associada ao risco de DMG (RR 1.54; IC95% 1.10, 2.15), quartil mais alto vs. quartil mais baixo. As mulheres no quartil com maior ingestão de fibras tiveram um risco 33% menor de DMG (RR 0.67; IC95% 0.45, 0.96). As participantes que consumiam mais frutas (0.95 por 50g/dia) e suco de frutas (0.89 por 100 g / d) estavam inversamente associadas ao DMG, enquanto o consumo de cereais mostrou  um maior risco de DMG (RR 1,55 por 20 g / d) .

“A baixa ingestão de carboidratos, gorduras e proteínas pode aumentar o risco de diabetes gestacional, em contrapartida, um maior consumo de fibras pode diminuir o risco de DMG. É especialmente importante considerar a fonte de carboidratos”, concluem os autores.

Referência:
Looman M, Schoenaker DAJM, Soedamah-Muthu SS, Geelen A, Feskens EJM, Mishra GD. Pre-pregnancy dietary carbohydrate quantity and quality, and risk of developing gestational diabetes: the Australian Longitudinal Study on Women's Health. Br J Nutr. 2018 22 de maio: 1-10. doi: 10.1017 / S0007114518001277

Postado em Saúde e Nutrição por Aby Tosatti | Tags: