Será que uma refeição barulhenta tem interferência nas escolhas alimentares?

Será que uma refeição barulhenta tem interferência nas escolhas alimentares?
10 de fevereiro de 2017
Resultado de imagem para refeição em familia com ruidos

Crédito da foto: google imagens

Por Abykeyla Mellisse Tosatti

Um estudo da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, mostrou que ruídos e sons altos durantes as refeições interferem nas escolhas dos alimentos, tanto quanto qualquer outro tipo de distração, como TV, celular, jogos e tablet. O experimento foi o seguinte: os autores filmaram o comportamento de 60 famílias durante o jantar. Os participantes foram divididos em dois grupos aleatoriamente: o grupo experimental teve de escutar o ruído de um aspirador de pó durante 15 minutos enquanto estavam comendo, já o grupo controle não escutou ruído algum. E o que aconteceu? Os pais do grupo experimental consumiram mais biscoitos, bebidas diet e cenouras, resultando em abuso em tudo o que foi consumido e em um efeito negativo na comunicação, isso, provavelmente, por estarem distraídos. Já as crianças, tendiam a se envolver em mais atividades e distrações, pois recebiam menos atenção dos pais. “É uma situação ruim, uma vez que essa interação está associada a hábitos alimentares mais saudáveis”, analisam os autores. E se os pais estão distraídos acabam não monitorando a alimentação dos filhos. “ Eles não demonstram interesse positivo, não sendo capazes de prestar atenção às emoções das crianças ou de demonstrar boas respostas aos sinais de fome e saciedade dos pequenos”, explicaram os autores. Para resolver de vez essa questão, a sugestão é que todas as refeições – café da manhã, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde e o jantar -sejam sempre tranquilas para que todos possam conversar sem distrações. Nada de entretenimentos ou atividades com fonte de som – TV e outras telas -  que irrite ou tire a concentração à mesa. Pesquisas mostram, aliás, que o risco de obesidade é proporcional ao tempo dedicado à TV e outras telas – reduzir o hábito é, portanto, uma estratégia para combater a doença no futuro. “Refeições em local sem agitação e barulho – e com os familiares - é um hábito capaz de reduzir os índices de transtornos alimentares e o uso de substâncias na adolescência. Já na infância, contribui para um melhor comportamento na escola, visto que, em um ambiente calmo, sem barulho, todos aprendem a se ouvir e compartilhar”, ressaltam os autores.

 Referencia: Fiese, Barbara H.; Jones, Blake L.; Jarick, Jessica M. Family mealtime dynamics and food consumption: An experimental approach to understanding distractions. Research and Practice, Vol 4(4), Dec 2015, 199-211.

Postado em Leitura para público leigo por Aby Tosatti | Tags: