Sobre Fitoterapia

Sobre Fitoterapia
15 de junho de 2016
Dra. Vanderli Marchioli Crédito da Foto: Arquivo Pessoal

Dra. Vanderli Marchioli
Crédito da Foto: Arquivo Pessoal

Confira a Entrevista com a Nutricionista e Fitoterapeuta Dra. Vanderli Marchiori

Para falar sobre fitoterapia, convidamos a Dra. Vanderli Marchiori. Especialista em fitoterapia Integrativa, em Psicologia Transpessoal, e em Especialista em Nutrição Clinica Funcional. Presidente da APFIT – Associação Paulista de Fitoterapia. Assessora Técnica da ABITRIGO (Associação Brasileira das Indústrias do Trigo) e ABICAB  (Associação Brasileira das Indústrias de Cacau, Amendoim e Balas) e da FAEPE - Fundação de Apoio ao Ensino e Pesquisa da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto. Autora do Livro Alho -Garlic-. Atualmente atua no consultório (Aplicação dos princípios de fitoterapia e nutrição funcional)

Veja, a seguir, a  entrevista exclusiva:

Quando e por que começou a trabalhar com o uso de plantas medicinais?

Comecei a trabalhar com Plantas Medicinais em 1994, quando ainda trabalhava em restaurantes industriais.

Um homeopata da nossa equipe acreditava que os funcionários da sala de espera do atendimento do Ambulatório, mostravam-se mais serenos quando bebiam Chá de Cidreira ou Camomila ao invés de Café.

Desta maneira suprimi o fornecimento do Café no Ambulatório e comecei a estudar sobre o assunto.

Quando fui demitida da empresa, decidi estudar Medicina Natural fora do país e virou minha paixão!

Como a Dra. responde as criticas de que a fitoterapia não tem literatura cientifica com evidencias de padrão A?

Não respondo, as evidencias clinicas já respondem por si. Existem alguns trabalhos de padrão A publicados em Revistas Indexadas sérias e renomadas.**

 

Comente um pouco sobre a “fitoterapia” na nutrição hoje?

A fitoterapia na Nutrição ganhou bastante corpo nos últimos anos e ainda precisa ser bastante discutida.

O embasamento cientifico para a prescrição são vitais para a segurança e sucesso do tratamento do paciente. Esse preparo a maioria dos nutricionistas ainda não tem. Deve ser incluída na grade da Graduação minimamente.

Como colocar o uso de plantas medicinais na pratica clinica de forma segura e eficaz?

Complementando o plano alimentar com chás, sucos, extratos líquidos ou ate mesmo extratos secos encapsulados.

Como a  fitoterapia pode fazer diferença na saúde?

Melhorando o funcionamento dos órgãos envolvidos ou corrigindo algumas condições patológicas.

De que maneira a fitoterapia auxiliaria na perda de peso e manutenção do peso?

Há plantas que ajudam a reduzir a resistência insulínica, que são termogênicas, lipolípiticas, que impedem a lipogenese, reduzem a ansiedade e consequentemente a compulsão alimentar.

As plantas em si podem auxiliar no tratamento de quase todas as causas da obesidade. Uma vez identificada à causa, escolhemos a planta mais adequada e segura para ser adjuvante no tratamento.

Muito se fala na mídia sobre “chás milagrosos”, “chás que emagrecem”, comente um pouco sobre sua opinião sobre isso e como trabalha com os chás?

NADA é milagroso né? Nem mesmo um chá! As pessoas buscam uma pílula milagrosa que resolva o problema que requer mudança de comportamento.

Se não houver a mudança de comportamento não haverá chás milagrosos. Eu uso bastante e prefiro sempre os chás, pois são sempre mais seguros e completos.

Por fim, qual o papel da fitoterapia em conjunto com outras medidas para a prevenção de doenças crônicas não transmissíveis?

O papel é sempre complementar e importante de verdade. O uso de plantas como carqueja ou salsaparrilha pode controlar o colesterol de maneira que dispense o uso de medicação sintética, com isso todos ganham, pois não tem efeitos colaterais.

E se pensarmos especificamente na carqueja, seu papel ainda é de reduzir a glicemia, hipertensão, peso, melhorar a diurese e também o funcionamento hepático.

**Algumas referências citada pela Dra. Vanderli Marchioli:

  • Hai-Yan Gui, Rui-Ni Chen, Yan Peng, Jin-Hua Hu, Zhao Mao, Rui Ning, Wei Shang, Wei Liu, Jing Xiong, Gang Hu, and Jian Yang. Curcumin Protects against 1-Methyl-4-phenylpyridinium Ion- and Lipopolysaccharide-Induced Cytotoxicities in the Mouse Mesencephalic Astrocyte via Inhibiting the Cytochrome P450 2E1. s http://dx.doi.org/10.1155/2013/523484

Obs. As opiniões expressadas não refletem necessariamente o ponto de vista da Nutrociência Assessoria em Nutrologia, sendo de exclusiva responsabilidade dos entrevistados.

Postado em Entrevistas por Aby Tosatti | Tags: