A criança que não come: abordagem pediátrico-comportamental

24 de março de 2016

Por Dr. Mauro Fisberg, Abykeyla Mellisse Tosatti e Camila Leonel Abreu

Uma alimentação adequada durante a infância é essencial para a saúde ao longo da vida e o bem-estar. As boas regras da alimentação já começam na infância, desde o nascimento, pela amamentação exclusiva até os seis meses de vida, para obter um ótimo crescimento, desenvolvimento e saúde. Daí em diante, para satisfazer as suas necessidades em evolução nutricional, as crianças devem receber uma alimentação complementar nutricionalmente adequada e segura, enquanto continua o aleitamento materno até aos dois anos como recomenda a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a UNICEF. A industrialização, a urbanização, o desenvolvimento econômico e tecnológico, acarretaram mudanças na alimentação e no estilo de vida, aumentando dramaticamente a prevalência de obesidade no mundo, caracterizando a transição nutricional, em que a desnutrição apresenta acentuado declínio e a obesidade emerge como grave problema de saúde pública. No entanto, aproximadamente 51% das mães de todo o mundo referem que estão preocupadas com o fato de seu filho não comer de forma adequada. O tratamento desta situação deve ser baseado no conhecimento da causa e da individualização do problema, por meio de equipes multidisciplinares especializadas.