Suco de laranja x Perda de peso

25 de junho de 2017

 Por Abykeyla Mellisse Tosatti

Um estudo da Universidade Estadual Paulista (UNESP), em Araraquara, São Paulo, mostrou que o consumo diário do suco de laranja (natural)  pode contribuir com padrões metabólicos melhores e ser um aliado do controle do peso em adultos. Os autores recrutaram 78 indivíduos obesos (idade média de 36 anos), que foram divididos em dois grupos: o grupo intervenção foi submetido a uma dieta de baixo teor calórico que incluía 500ml de suco de laranja por dia, enquanto o grupo controle também recebeu a dieta, mas não ingeriu a bebida. Após 12 semanas, ambos os grupos mostraram resultados semelhantes em relação ao peso corporal, IMC, massa magra, massa gorda, gordura corporal, relação cintura-quadril. A diferença é que os participantes que beberam suco de laranja apresentaram baixa resistência insulina, níveis menores de colesterol total ​e proteína C reativa de alta sensibilidade em comparação com o grupo de participantes que não consumiram o suco. O consumo de energia e nutrientes foi semelhante entre os dois grupos, mas a vitamina C e o folato aumentaram após a introdução do suco de laranja. “O consumo de suco de laranja diariamente, acompanhado de uma dieta de baixo calor calórico não inibe a perda de peso, e melhora a sen

Postado em Saúde e Nutrição por Aby Tosatti | Tags: ,
25 de junho de 2017

Por Abykeyla Mellisse Tosatti

Uma nova revisão de estudos reforça as evidências de que a fruta pode proteger contra diabetes e doenças cardíacas.

Uma boa notícia para os apaixonados por abacate: uma revisão científica sugere que comer abacate pode ajudar a prevenir a síndrome metabólica – uma combinação de três ou mais fatores de risco para doença cardíaca e diabetes, como pressão alta, triglicerídeos altos e circunferência da cintura. A revisão, realizada por autores iranianos, e publicada na revista científica Phytotherapy Research, analisou 129 estudos publicados anteriormente que examinam os efeitos do consumo de abacate em diferentes componentes da síndrome metabólica. A maioria dos estudos envolveu a parte carnosa do alimento, mas alguns também incluíam folhas de abacate, cascas e óleo. Além de apresentar fibras, vitaminas, minerais e ser rico em antioxidantes, o abacate possui gordura monoinsaturada (excelente para o coração). Jamshid Tabesh

Postado em Saúde e Nutrição por Aby Tosatti | Tags: ,
25 de junho de 2017

Por Abykeyla Mellisse Tosatti

No Irã, uma equipe da Universidade Isfahan de Ciências Médicas, revisou 26 estudos sobre como o sistema imunológico pode ser afetado pelo excesso de peso e a relação entre a obesidade materna e o sistema imunológico das crianças. Os resultados sugerem que a obesidade infantil está associada a mudanças nos níveis de concentração de citocinas – glicoproteínas que induzem a produção de anticorpos – e de proteínas inflamatórias e anti-inflamatórias, bem como no comportamento das células do sistema imune. Além disso,  pode causar ou exacerbar doenças como asma, alergia, dermatite atópica (DA) e síndrome da apnéia obstrutiva do sono – distúrbio do sono em que a respiração para e volta diversas vezes. De acordo com Kelishadi Roya e sua equipe, os estudos sugerem que a obesidade materna aumenta o risco de asma na criança. Estudos futuros são necessários para determinar diferentes associações de obesidade infantil com alergia, dermatite atópica e doenças autoimunes.

  Referencia: Kelishadi Roya, Roufarshbaf Mohammad, Soheili Sina, Payghambarzadeh Farzaneh, and Masjedi Mohsen. Associ

Postado em Saúde e Nutrição por Aby Tosatti | Tags: ,
25 de junho de 2017

Por Abykeyla Mellisse Tosatti

Mau humor, desânimo, falta de memória e maior risco de obesidade são alguns dos sintomas de quem sofre distúrbios do sono. Noites mal dormidas têm se tornado um problema cada vez mais frequente na infância. Muitos pais se queixam de que bebes apresentam problemas para dormir desde muito cedo. Na Holanda, um time do Hospital Universitário Erasmus MC, cruzou informações sobre a duração do sono na infância versus composição corporal e saúde cardiometabólica  em 5161 crianças. A duração do sono foi avaliada aos 2, 6, 24 e 36 meses pelos relatórios dos pais. Quando as crianças completaram seis anos, foram coletadas medidas de composição corporal, pressão arterial, insulina e níveis lipídicos.  Resultado: Apenas uma menor duração do sono aos dois meses de idade se relacionou com  maiores  Indices de Massa Corporal - IMC e massa gorda, quando as crianças chegaram aos seis anos. “Não foram encontradas evidências claras sobre os efeitos que a privação do sono, antes dos dois meses de vida ou em fases posteriores, pode causar na saúde cardiometabólica”, esclarecem os autores.

 Referencia: Derks Ivonne P.M., Kocevska Desana, Jaddoe Vincent W. V., Franco Oscar H., Wake Melissa, Tiemeier Henning. ,