Utilizados com moderação, os jogos eletrônicos podem divertir e até estimular as habilidades motoras e cognitivas

Utilizados com moderação, os jogos eletrônicos podem divertir e até estimular as habilidades motoras e cognitivas
27 de janeiro de 2017
Crédito da Foto: iStock

Crédito da Foto: iStock

Por Abykeyla Mellisse Tosatti

Os jogos eletrônicos fazem parte da rotina de muitas crianças, que já nascem com acesso à tecnologia. A brincadeira traz muitas vantagens para as crianças, mas desde que haja limites e horários pré-estipulados. Foi o que mostrou o estudo publicado na revista Annals of Neurology, em 2016. Para avaliar o efeito dos jogos eletrônicos, Jesus Pujol e colaboradores avaliaram 2.442 crianças com idade entre 7 e 11 anos, em Barcelona, na Espanha.

Entre os jogos mais populares do estudo, estavam: Super Mario Brothers, FIFA e Wii Sports. Os autores constataram que as crianças que jogavam, em média, duas horas de videogame na semana, apresentavam melhor desempenho escolar e desenvolviam mais habilidades psicomotoras. Uma ressalva, o benefício continuou sendo o mesmo para os que não ultrapassavam nove horas semanais de jogos. “Para os que costumavam ficar mais de nove horas por semana jogando videogame, apresentavam-se problemas comportamentais, queda no rendimento escolar e dificuldade para dormir”, concluem os autores. “As crianças se tornam menos sociáveis, porque o tempo gasto com os games limita o tempo de outras atividades de lazer”, completam.

Tendo em vista os argumentos apresentados, o videogame pode ser até uma ferramenta de desenvolvimento se utilizado no período adequado. A dica é que se estabeleça uma rotina em casa, dividindo o tempo da criança entre os jogos com e sem aparelhos eletrônicos para que não ocorram exageros.

 

 Referência:

Jesus Pujol, Raquel Fenoll, Joan Forns, Ben J. Harrison, Gerard Martínez-Vilavella, Dídac Macià, Mar Alvarez-Pedrerol, Laura Blanco-Hinojo, Sofía González-Ortiz, Joan Deus, Jordi Sunyer. Video gaming in school children: How much is enough? Volume 80, Issue 3 September 2016 DOI: 10.1002/ana.24745

 

 

Postado em Saúde e Nutrição por Aby Tosatti | Tags: